Um artigo recente (Maio/Junho 2009) na revista Vineyard & Winery Management tem informações importantes sobre o posicionamento das rolhas de cortiça vs alternativas e mais do que isso expressa uma opinião bastante favorável ao desempenho actual das “nossas” rolhas. Deixo algumas ideias chave do artigo, que podem consultar na integra aqui:

-Numa amostragem dos vinhos que foram a concurso em 2008 no “Indy International Wine Competition” sobre o tipo de vedante utilizado conclui-se que 74% utilizavam cortiça (nas suas diversas formas):
I) 48% utilizavam rolhas naturais de cortiça
II) 19% utilizavam rolhas técnicas (por exemplo: “1+1”)
III) 7% utilizavam rolhas de aglomerado

IV) 17% utilizavam alternativas sintéticas
V) 6% utilizavam “tampas roscadas de alumínio”
VI) 3% utilizavam outros processos de embalagem (“bag-in-box”, “Tetra Pak”, etc)

-O autor do artigo refere que desde que visitou pela primeira vez a indústria corticeira portuguesa em 1994 até aos dias de hoje, houve uma enorme mudança de mentalidade e formas de produção.

-Esta evolução permitiu que depois de descoberta a fonte dos problemas que a cortiça transmitia ao vinho (o TCA) a indústria portuguesa se adaptasse e praticamente eliminasse este problema.

Neste concurso international (com mais de 3.200 vinhos e 10.000 garrafas em análise) com base nas suas “super sensíveis” provas menos de 1% dos vinhos é que foram referenciados com problemas de TCA.

-Segundo o autor: “O TCA já não é um problema relevante para a indústria vinícola americana”.

Informações de interesse:
Artigo:
Aqui
Página da Revista:
http://www.vwm-online.com/
Autor do Artigo de opinião:
Christian E. Butzke (Professor de Enologia na “Purdue University”, presidente da Sociedade Americana de Enologia e Viticultura, “chairman” e presidente dos Juízes do “Indy International Wine Competition”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Real Cork. Real Wine.

Clique nas imagens e partilhe-as:

say yes to cork