NG_Março

A edição de Março da revista “National Geographic – Portugal” dá especial atenção à cortiça. O jornalista António Luis Campos assina uma reportagem de 16 páginas que faz também a capa desta edição, começando com uma frase que revela a importância dada ao tema:

“Não é ouro, nem é negro, mas o sobreiro é um dos tesouros nacionais”

O artigo continua destacando o interesse da ciência pela cortiça, nomeadamente o projecto da sequenciação do genoma do sobreiro que poderá conduzir, entre outras coisas, à melhoria quantitativa e qualitativa da cortiça produzida pelos sobreiros no futuro.
Fala também da cadeia de produção dos produtos de cortiça, bem como das ameaças sintéticas e do contra-ataque que o “sub-sector” rolheiro está a desenvolver.
A investigação da permeabilidade da cortiça conjuntamente com o estudo da oxigenação permitida pelas rolhas naturais estão também em destaque neste artigo, já que esta capacidade permite balancear a entrada de oxigénio no vinho de forma “controlada”. As rolhas evitam que por excesso de oxigénio o vinho oxide, e que por estanquicidade o vinho “morra” ou ganhe características olfactivas desagradáveis.
O testemunho da importância das rolhas de cortiça para a indústria vinícola é dado por Dominic Symington da “Quinta do Versúvio”.
Mas, segundo o artigo, nem só de rolhas “vive” este sector, e cada vez mais aparecem novas aplicações para este nobre material. Entre outras aplicações aparecem referidas as aplicações aeronáuticas (aviões e naves espaciais), moda, decoração e na construção e acabamentos de caiaques (que ganham medalhas olímpicas) e protótipos da Mercedes.
Como não poderia deixar de ser em todo o artigo há referências às mais valias ambientais dos produtos da cortiça.

Tal como o documentário Cork: Forest in a Bottle esta é mais uma ferramenta de publicidade para a cortiça. Acho que todos devemos comprar a revista e divulga-la o mais que podermos.

One Response to Cortiça na National Geographic

  1. admin diz:

    Importação dos comentários do site antigo:
    Nuno disse:
    Duas instituições de renome internacional a puxarem pela cortiça. É uma oportunidade única, que não podemos de forma alguma desbaratar. Vale bem a pena disseminá-las pelas nossas caixas de correio. Tanto mais, que ambos os trabalhos (BBC e National Geographic) se pautam por um rigor, clareza e objectividade pouco vistos.
    Sandra Correia respondeu:
    Olá Nuno, olá a todos, o meu nome é Sandra Correia e sou a mentora da Pelcor, mencionada no artigo do National Geographic e concordo contigo. Este é um momento único para todos, duas grandes Instituições tornam a Cortiça o seu tema principal, é hora de acompanhar a boleia e disseminar esta matéria prima tão única e valiosa pelos nossos contactos, pelo nosso meio, pois deste ponto de vista a Cortiça nunca foi tratada assim. Parabéns a estas duas instituições, BBC e National Geographic e agora esta na hora de nós portugueses fazermos o nosso papel, disseminar..vamos a isso?
    Luis Gil respondeu:
    Parece-me boa ideia, até porque de uma maneira geral os consumidores são “amigos” da cortiça e quanto mais informados estiverem os consumidores, melhor.

Responder a admin Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Real Cork. Real Wine.

Clique nas imagens e partilhe-as:

say yes to cork